“A MAIOR DE TODAS AS IGNORÂNCIAS É REJEITAR UMA COISA SOBRE A QUAL VOCÊ NADA SABE."

segunda-feira, 21 de junho de 2010

GÉRARD ANACLET VINCENT ENCAUSSE

O médico que tornou-se famoso no meio ocultista

sob o pseudônimo de PAPUS, nasceu no dia 13 de julho de 1865, em Corunã-Espanha, as sete horas

da manhã, sendo filho de pai francês, o químico Louis Encausse, e mãe espanhola, de origem

cigana, a senhora Irene Perez. O jovem Gérard criou-se, assim, em um ambiente favorável a um

futuro estudante de Alquimia e de Tarot.


Em 1869 a família Encausse veio estabelecer-se em Paris, no bairro Montmartre, onde Papus

iniciou seus estudos, primeiro no Colégio Rollin, depois aos 17 anos, na Faculdade de Medicina de

Paris. Ainda jovem, dedicou-se nas horas vagas ao Ocultismo; enquanto seus colegas preocupavam-

se com os problemas políticos da Europa e em percorrer todos os autores da Ciência Oficial, Papus

passava suas tardes na Biblioteca nacional de Paris ou na Biblioteca do Arsenal estudando os

autores clássicos da Alquimia e da Cabala, tomando notas dos principais manuscritos tão

zelosamente guardados há séculos nessas preciosas bibliotecas.


Papus teria sido iniciado por Henri Delaage em 1882, segundo ele mesmo nos diz, na Sociedade dos

Filósofos Desconhecidos, ordem que teria sido fundada por Louis Claude de Saint-Martin no século

XVIII, na França. Com 17 anos de idade, o jovem Papus passou a destacar-se no seio do Grupo que

passou a integrar, pela seriedade com que procurava as chaves da Iniciação.


Em 1887, aos 22 anos, escreveu sua primeira obra, denominada O Ocultismo Contemporâneo. Seu

Tratado Elementar da Ciência Oculta(1), no ano seguinte, alcançou grande sucesso em vários países

e proporcionou a seu autor grande liderança no meio ocultista parisiense. Fundou, em 1889, o

Grupo Independente de Estudos Esotéricos (Gidee), transformado mais tarde em Escola Hermética,

destinada a divulgar a espiritualidade e a combater o materialismo, igualmente, as revistas A

Iniciação e Véu de Isis, órgãos de divulgação do Ocultismo, planetas que giravam em torno do

centro irradiante de dinamismo, que era o Iniciador Papus.


Trabalhou como externo nos hospitais de Paris e não abandonou o exercício da medicina. Em 1894

defendeu sua tese de medicina, intitulada A Anatomia Filosófica e Suas Divisões, recebendo o título

de Doutor em Medicina, com elogios. Sua obra posterior, "Compêndio de Fisiologia Sintética", foi

igualmente muito elogiada nos meios acadêmicos.


Ao defender sua tese, Papus confessou-se um iniciante na arte de curar, pois vislumbrava as

possibilidades do Ocultismo. Como Paracelso, percorreu vários países da Europa, estudando todas

as medicinas, a oficial, a dos curandeiros e a homeopatia, aprendendo uma série de procedimentos

desconhecidos dos médicos tradicionais.

Praticou a alopatia, a homeopatia e a hipnose, realizando curas consideradas extraordinárias por

seus biógrafos. É o caso da senhora ricamente vestida, conta-nos Phaneg, que entrou em seu

consultório com ares de descrença. Papus sem que ela falasse e após ter chamado sua atenção pela

falta de fé no médico em presença, diagnosticou seu mal e falou de sua precária situação financeira.

A senhora ficou maravilhada pelas revelações que ouvia e pela nevralgia subitamente desaparecida.

Papus não lhe cobrou a consulta, porque aquela era seu último "louis".(2)


Muitas vezes Papus, para efetuar o diagnóstico, observava em primeiro lugar o astral do doente,

depois o curava misteriosamente, apelando à força vital-mãe, fonte de equilíbrio. Ele classificava,

assim as doenças, como sendo do Corpo, do Astral e do Espírito. As doenças do Corpo (como

febres, traumatismos) podem, segundo Papus, ser curadas pela medicina dos contrários; as doenças

do Astral (como tuberculose e o câncer) podem ser tratadas pela homeopatia e o magnetismo; e as

doenças do Espírito (como epilepsia, histeria e loucura) podem ser tratadas pela oração e pela

magia, desde que o mal não seja Cármico (dívida espiritual a ser paga pelo doente). Assim, Papus

praticava seguidamente a Medicina Oculta, curando à distância, agindo sobre a urina, o sangue e o

cabelo do paciente. Contam que Papus realizava diagnósticos insólitos, agindo pelos dons de

clarividência e de clariaudiência.


No Umbral do Mistério, Stanislas de Guaita escreve que Papus, "jovem médico dos mais eruditos e

fecundos, converteu-se em dupla personalidade: conquistou a notoriedade sob dois nomes

diferentes. Suas obras de anatomia e de fisiologia receberam apenas a subscrição de Gérard

Encausse. Seus Tratados de magia arvoram um outro nome".


"Cabeça enciclopédica e pena infatigável, saudemos este jovem iniciado que disfarça ou, diríamos,

que desfigura o lastimável pseudônimo de Papus. É mister, seguramente, que os seus livros

testemunhem uma superioridade assaz transcendente, para que se possa perdoar sua etiqueta! Fato é

que os amadores da teosofia pronunciam o nome de Papus sem esboçar qualquer sorriso mas, isto

sim, com admiração e apreço. Passando pelas brochuras já em número considerável, que têm

vigorosamente contribuído para a difusão das ciências esotéricas, mencionaremos tão-somente as

obras Ocultismo Contemporâneo (Carré, 1887, in 8º), O Sepher Yetsirah (Carré, 1888, in-8º) e a

Pedra Filosofal (Carré, 1889, in-12, frontispício)".


"Convém lembrar que Papus publicava, desde 1888, o seu "Tratado Elementar de Ciência Oculta"

(Carré, in-12, com figuras). Trata-se da primeira obra metódica em que se acham resumidos com

clareza, agrupados e sintetizados com maestria todos os dados primordiais do Esoterismo. Este livro

excelente, que enfoca a aplicação dos métodos experimentais de nossas ciências ao estudo dos

fenômenos mágicos, e ademais, uma ação boa e meritória: os próprios estudantes adiantados podem

recorrer a ela com segurança, como ao mais sábios dos gramáticos. Mas, Papus acaba de firmar para

sempre a sua reputação de Adepto através da aparição de uma monumental obra atinente ao Tarot

(3). Em nosso entender, não exageramos ao asseverar que este livro, em que se acha revelada, até às

profundezas, a lei ondulatória do ternário universal, constitui, no sentido mais alto do termo, uma

Chave absoluta das Ciências Ocultas".


Seu pseudônimo "Papus" foi retirado do Nuctameron de Apolônio de Tiana e significa o "médico da

primeira hora", aquele que não mede sacrifícios para atender seus semelhantes.


Papus consagrou-se ao estudo da Luz Astral e de sua influência sobre as doenças e sobre sua

terapêutica, tal como ensinava Paracelso um dos pais da Medicina. O papel da mente e suas relações

com o Plano Astral e o Homem. Durante longos anos dirigiu suas pesquisas sobre os fenômenos

hipnóticos, espíritas, parapsicológicos, exteriorização da sensibilidade e do magnetismo. Fundou a

Escola de Magnetismo de Lyon, tendo o Mestre Philippe de Lyon como seu Diretor.

Seus estudos dos Corpo Astral e do Plano Astral não tinham como objetivo apenas a cura do Corpo,

mas, principalmente, a cura da Alma, isto é, sua terapia pela iniciação. Fez da famosa divisa do

Templo de Delfos "Conhece-te a ti mesmo que conhecerás o Universo e os Deuses" o seu lema de

trabalho iniciático e profissional. Estudou profundamente a Antigüidade egípcia e os mistérios

gregos e romanos, concluindo que entre eles a Ciência e a Iniciação estavam intimamente

associadas.


A Escola Hermética, que tinha como professores famosos ocultistas da época, tais como Stanislas

de Guaita, Sedir, Barlet, Peladan, Chamuel, Marc Haven, Maurice Barrès (academia francesa)

Victor-Emile Michelet, entre outros, tinha como objetivo recrutar membros para as sociedades

iniciáticas dirigidas por Papus (Ordem Martinista) e por Stanislas de Guaita (Ordem Cabalística da

Rosa-Cruz) que ainda existem hoje em pleno vigor, através de cursos, conferências, pesquisas

ocultistas e publicações. Ensinavam o Hebraico, a Cabala, o Tarot, a Astrologia, a História Oculta, a

Magia, a Medicina Oculta, focalizando principalmente seu aspecto menos velado e mais científico.

Papus é tido como o divulgador do Ocultismo Científico de Louis Lucas, que se baseia na Analogia,

método que procura explicar o Invisível por inferência, a partir do Visível.


Papus teve como Mestre Intelectual o Marquês Joseph Alexandre Saint-Yves d´Alveydre e como

Mestre Espiritual, como ele próprio afirmava, o "Mestre Philippe de Lyon", a partir de 1887 e 1897,

respectivamente. Teve no seu companheiro Stanislas de Guaita um incentivador de primeira

grandeza, discípulo póstumos todos os dois de Eliphas Levi, Fabre d´Olivet, Saint Martin e Jacob

Böehme, cujas obras sabiam praticamente de cor.


Praticava a Cabala Prática(4),juntamente com seus principais companheiros, com a qual procurava

o aperfeiçoamento espiritual até chegar ao conhecimento da Divindade. O Adepto deve conhecer

toda a teoria da Magia, dizia Papus, os materiais usados pelos magos, os perigos da Magia que

enfrentam os praticantes temerários, a chave da magia negra, as ciladas do inimigo invisível, o

controle das paixões, a eliminação dos vícios, se o Iniciado desejar, sinceramente, tornar-se um

Mestre e obter a Salvação.


Sua vida foi uma ação constante em todos os planos, lutando contra o materialismo e o ateísmo e

divulgando a espiritualidade. A lembrança do duelo com Jules Blois, que tinha desacatado

fortemente a Stanislas de Guaita, ficou gravado na memória de todos os inimigos de Papus. Quando

Jules Blois dirigia-se em um fiacre para o local designado para o combate, os cavalos assustaram-se

com a aparição súbita de um vulto e empinaram-se, derrubando por terra Jules Blois e sua comitiva.

Assim, Jules Blois chegou à presença de Papus com dor de cabeça e cambaleante. O duelo

começou, sem muito entusiasmo, Papus procurando, dizem seus biógrafos, não ferir gravemente seu

opositor. Este recebeu um pequeno ferimento no ombro e a luta teve fim. Papus cumpriu sua

obrigação de médico, socorrendo seu adversário e a inimizade terminou.


Papus visitou a Rússia três vezes, sendo recebido pelo imperador. Em 1914 foi a Guerra como

capitão-médico, onde contraiu tuberculose. Faleceu em 25 de outubro de 1916, aos 51 anos de

idade. Seu corpo repousa no cemitério de Père Lachaise, em Paris, na divisão 93.


"Imitemos esse Iniciador, disse-nos Sedir, que desejou não ser mais do que um amigo para nós e

que foi bastante forte ao ponto de nos esconder suas dores e seus desgostos sob um perpétuo sorriso.

Enxuguemos nossas lágrimas; elas o reteriam nas sombras; regozijemo-nos, como ele próprio há

três dias o fez, por rever finalmente face à face o Todo Poderoso Terapeuta, o autêntico Pastor das

Almas, o Amigo Eterno, o Bem Amado de quem ele foi Eterno, o Bem Amado de quem ele foi o

fiel servidor".

"Digamos, juntos a Gérard Encausse, um até logo vibrante; demos a ele, por nossas boas vontades

doravante indefectíveis, a única recompensa digna de tão longas penas que ele suportou por nós"(5).


Papus foi sem dúvida alguma um grande Mestre ocultista, destacando-se por sua realização:

escreveu mais de 160 títulos, entre livros, artigos, conferências, abordando tanto a medicina como o

ocultismo. Os livros principais foram publicados em sua juventude, como o Tratado Elementar de

Ciências Oculta (23 anos), o Tarot dos Boêmios (24 anos), o Tratado Metódico de Ciência Oculta

(26 anos), a Cabala (27 anos), o Tratado Elementar de Magia Prática (28 anos).


Para seus companheiros de adeptado, suas obras principais foram o Tarot dos Boêmios, o Tratado

Metódico de Ciência Oculta e o Tratado Elementar de Magia Prática. São Três "dos mais belos

livros e dos mais fundamentais para o estudo do Ocultismo aparecidos após os de Eliphas Levi,

Louis Lucas e Saint-Yves d´Alveydre" (Stanislas de Guaita em No Umbral do Mistério (4).

O que procuras? '.' .'.